Design Responsável

Por RamonPage

“Poucas pessoas são capazes de expressar com equanimidade opiniões que diferem dos preconceitos do seu ambiente social. A maioria das pessoas são ainda incapazes de formar tais opiniões.” — Albert Einstein

Penso que duas das grandes virtudes que nós podemos ter estão na percepção da mudança e no discernimento de saber se é o momento de mudar ou não.

Vamos ser francos, mudar é preciso. Faz parte da evolução humana mudar, errar e acertar. Mas nem tudo são flores, aceitar a mudança pode nos faz crescer ou regredir. Sábio é aquele que sabe mudar o suficiente e na hora certa.

Nosso modo de trabalho sempre muda

A web que conhecemos ainda é muito jovem! É quase como um adolescente que grita querendo ser lido, assistido e escutado. E esse adolescente quer estar sempre bem apresentado, haja vista a quantidade de meios (leia-se dispositivos) que a gente procura interagir com ele.

Já perdi a conta de quantas mudanças de paradigma eu acompanhei ao longo de todos esses anos trabalhando com web. Nós deixamos de usar tabelas em prol dos divs, criamos regras para organizar CSS, deixamos de usar divs em prol de uma melhor semântica e por aí vai…

Agora aqui estamos nós, mudando e reaprendendo mais uma vez.

O mundo passou a ser móvel. Estamos em movimento o tempo todo, não é de hoje. É incontestável a mudança comportamental que os gadgets trouxeram para as nossas vidas desde a década passada. A web precisava acompanhar isso. Nossos sites precisavam ser portáteis, pois nós passamos a ter celulares melhores e com telas coloridas.

Apesar disso tudo, era (e ainda é) preciso ter calma nas tomadas de decisão. Concordo plenamente com Stephen Hay, quando disse que não há mobile web, apenas a mesma web de sempre vista de formas diferentes.

There is no Mobile Web. There is only The Web, which we view in different ways. There is also no Desktop Web. Or Tablet Web. Thank you.— Stephen Hay (@stephenhay) Janeiro 7, 2011

Mudanças de paradigma são necessárias para a evolução do que fazemos

Foi em 2010 que tudo começou, quando Ethan Marcotte publicou no A List Apart o excelente artigo Responsive Web Design. A mudança de paradigma era tanta que é perceptível ver nos primeiros comentários a incompreensão daquilo que foi escrito.

O tempo foi passando e o conceito ganhou popularidade. Todo mundo começou a querer aquilo, mesmo sem entender direito se era necessário.

Mas o que é afinal design responsivo?

Design responsivo nada mais é do que portar um projeto web para diversos dispositivos, utilizando CSS media queries. Trocando em miúdos, utilizando esta técnica é possível fazer um projeto ficar apresentável no computador, laptop, tablet e até mesmo em smartphones.

Porém existe um perigo nisso tudo: a liberdade! Nós temos o poder de fazer qualquer coisa tecnologicamente e fica bastante difícil saber o momento de parar. É preciso entender que toda liberdade requer responsabilidade.

Design responsivo com responsabilidade

É engraçado ver que a cada nova onda as pessoas tendem a querer provar que são capazes de fazer aquilo. Nós precisamos parar de fazer design responsivo porque é legal e começar a fazer design responsivo porque é necessário!

Designers who resize browsers searching for responsive design.— Diego Zambrano (@workforfood) Janeiro 9, 2013

Veja, não vai ser o responsive.is que vai provar que você é um desenvolvedor legal, porque você sabe fazer site responsivo1. Não se engane mostrando isso aos seus amigos. Quem mais precisa saber sobre o resultado do seu trabalho é o seu cliente. Ele é o maior interessado em saber se o projeto contratado está compatível com dispositivos móveis ou não (levando em conta o que foi acordado, é claro).

1 — Ao usar device-width ou device-height no seu layout responsivo o responsive.is não vai mostrar corretamente as versões do projeto quando visualizado em desktops, mas será que isso importa? Entenda com a Mozilla a diferença entre device-(width|height) e width/height.

Responsive design is overrated…— Daniel Lopes (@danielvlopes) Fevereiro 5, 2013

Nós precisamos parar de achar que somos super-heróis só por conta de uma particularidade do nosso trabalho. Há tantas coisas importantes que permeiam a produção para web. Antes de qualquer ferramenta utilizada e qualquer funcionalidade desenvolvida sempre deve haver um problema a ser resolvido, não apenas a vontade de seguir uma moda.

Quebrando o paradigma

Hiroki Takeuchi postou um artigo interessante recentemente. Ele fala sobre o porquê da sua equipe ter decidido deixar de lado o design responsivo nas novas páginas do GoCardless. Hiroki termina dizendo:

Responsive design is definitely a useful tool to consider, but it's also important to be clear on the case for it before embarking on any new projects.

É importante entender que em determinados casos o design responsivo não vai ser uma boa solução.

Procure conhecer profundamente a natureza dos seus projetos e faça design responsivo para o bem da web e da mobilidade, não para diversão.

Atualização 19/02/2013: Sugiro a leitura do artigo Re: Re: Sponsive Design — Part I de Tobias van Schneider.

Marcado em: ,

* * *